O prefeito Chico Brasileiro determinou nesse sábado (24) às secretarias de atividades-fim a elaboração de planos de ação, a curto e médio prazos, para a retomada da economia e do crescimento, e ampliação dos serviços sociais no pós-pandemia da covid-19 em Foz do Iguaçu. Brasileiro quer “atenção especial” nas áreas de saúde, assistência social, obras, meio ambiente, trabalho e juventude, esporte e lazer, turismo, planejamento, habitação, cultura, desenvolvimento comercial, industrial e agropecuário.

Os planos deverão ser entregues e explanados na próxima reunião do secretariado que ainda não tem data marcada, mas deve acontecer em um mês. O foco principal deve ampliar o que o prefeito chamou de “colchão social”, atendimento das sequelas da covid e a criação de empregos, muitos empregos.

“A prefeitura não parou e as secretarias também não, mas estamos analisando os projetos e programas da retomada das atividades normais e comuns da cidade. Sabemos que isso não deve acontecer de imediato e, sem sobressaltos, deve levar os próximos nove meses. Mesmo assim, estaremos preparados”, disse o prefeito durante reunião do secretariado no gabinete de gestão integrada municipal.

Sequelas

No campo social, Chico Brasileiro destacou a continuidade dos auxílios financeiros dos governos estadual e federal, vai ampliar os programas de atendimento às famílias vulneráveis e impactadas pela covid. A prefeitura vai comprar mais 20 mil cestas básicas – 60 mil foram distribuídas em 2020 – e espera firmar convênio com a Itaipu Binacional nos próximos dias para comprar um volume excepcional de cestas.

A saúde municipal deve atender em duas frentes, no atendimento às sequelas da covid e na retomada das cirurgias eletivas. Uma das referências em estudo está a implantação, conforme planeja o Hospital de Clínicas de Curitiba, de um centro multidisciplinar que em três frentes no atendimento das sequelas causadas pela doença (perda de olfato, paladar, entre outros; perda de massa muscular, disfagia e disfonia; depressão, impactos psicológicos e choques pós-traumáticos).

Empregos

A prefeitura, que já tem um conjunto de obras nos bairros, vai ampliá-las, zerando as demandas do orçamento participativo nas áreas de pavimentação (asfalto), creches, escolas, postos de saúde, academias ao ar livre e reforma de equipamentos públicos. Chico Brasileiro avalia que obras municipais, estaduais, federais, as custeadas pela Itaipu e da própria iniciativa privada representam frentes com mais de cinco mil postos de trabalho.

“Todos sabem do potencial da construção civil para induzir a retomada do crescimento econômico e da criação dos empregos tão necessários neste momento. É histórico que todo plano para superar crises tem na execução de pequenas, médias e grandes obras, a resposta mais rápida de recuperação da economia”, disse Chico Brasileiro.

Entre as medidas na área, está em estudo um programa habitacional com incentivo municipal e “assim criar mais empregos e propiciar moradia digna aos moradores mais necessitados em Foz do Iguaçu”. diz o prefeito.

O secretário municipal da Transparência e Governança, José Elias Castro Gomes, destacou a importância do engajamento e da interdisciplinaridade entre as áreas do governo municipal. “Essas ações vão nos conduzir a resultados surpreendentes. Teremos uma entrega mais efetiva dos serviços públicos à população. Uma Foz melhor para todos”, disse.