Toledo – As 50 prefeituras da região oeste do Paraná fecharam o primeiro trimestre de 2021 com aumento significativo nos cofres em decorrência das transferências do FPM (Fundo de Participação dos Municípios). Nos três meses deste ano, foram depositados R$ 232 milhões, 19,4% a mais que no mesmo período de 2020, de pouco mais de R$ 194 milhões, uma diferença de R$ 37,7 milhões. Os dados são do portal da transparência do Tesouro Nacional.

Além do aumento geral de 16,67%, parte da diferença é explicada pela mudança de coeficiente de Toledo, que, sozinho, recebeu quase 60% a mais neste ano.

O aumento populacional de Toledo ano passado fez seu coeficiente usado no FPM passar de 3,6 para 3,8. Em dinheiro, isso significou quase R$ 7,5 milhões a mais, totalizando R$ 20,262 milhões repassados no primeiro trimestre deste ano.

Dentre os municípios da região, Cascavel e Foz do Iguaçu mantêm o maior repasse, de R$ 21 milhões neste ano, contra R$ 18 milhões em 2020.

Crescimento

De acordo com José Carlos Stonoga, assessor tributário da Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná), uma das explicações para o crescimento do repasse é o aumento da arrecadação com o Imposto de Renda de pessoas físicas e jurídicas. Contudo, segundo ele, essa alta foi “um ponto fora da curva”.

A outra é a taxa de crescimento da população, o que explica o comportamento da receita em Toledo.

Contudo, apesar do aumento no repasse, a CNM (Confederação Nacional de Municípios), recomenda prudência e cautela na gestão dos recursos, por conta da instabilidade gerada pela segunda onda de contaminação da covid-19.