Mudar de opinião é uma das grandes virtudes do ser humano e considerada uma qualidade de pessoas inteligentes. Já mudar de ideia o tempo todo tem um conceito um pouco diferente. Denota insegurança, precipitação e falta de conhecimento.

O Governo Bolsonaro nem bem começou e já mudou tantas vezes de ideia que começa a criar dúvidas sobre suas ações.

É tanto “voltou atrás” que o próprio país se tornou meio redundante. Isso sem contar os desmentidos e os jogos de empurra, que têm gerado polêmica e que, depois da repercussão (geralmente negativa), acabam pondo a culpa em alguém (geralmente na imprensa).

Governar uma nação exige bem mais que vontade e ideologias pessoais. É preciso planejamento, cuidado, estudo, compreensão, análise, ou seja, o contrário de precipitação, falta de cuidado, senso comum, distorção.

É preciso ter como princípio fundamental que todas as ações são tomadas em prol da população. Pelo bem comum. Com foco no desenvolvimento econômico e social.

Ideologias e crenças pessoais não podem fazer parte das decisões. Afinal, de que adianta prometer formar um governo técnico se as ações são pautadas por vontades particulares?

Ao jurar defender a democracia, o presidente selou um compromisso público de respeitar a tudo e a todos. E isso implica em não tentar reescrever a história de acordo com o que ele acredita ser verdade.

As ações de um governante devem ser pautadas com ética e responsabilidade, adotadas com a certeza de que são o melhor para o País e ciente de suas consequências. Não podemos viver uma nação de ctrl+Z. O Brasil precisa avançar, seguir em frente. Com coerência e sabedoria.