Sair de férias requer preparo e planejamento. No caso de pessoas com diabetes, os cuidados vão mais além para que o índice glicêmico permaneça nos níveis ideais. É essencial que a medicação seja conservada de maneira adequada para não comprometer a efetividade do tratamento e o planejamento da viagem.

Devido à demora do processo de cicatrização nos casos de diabetes mal controlada, a atenção aos ferimentos deve ser redobrada. Os cuidados com os pés são fundamentais, principalmente, para os que já convivem com a doença há muitos anos ou têm a glicemia constantemente descontrolada. Usar calçados confortáveis e evitar andar descalço são medidas preventivas a serem adotadas.

Com a quebra da rotina, os horários das refeições e o cardápio disponível sofrem alterações. Segundo Tarcila Ferraz de Campos, nutricionista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, a alimentação saudável é indicada para pacientes com ou sem a doença, bem como a hidratação com bebidas que não impactam o controle glicêmico: "A preferência é por águas aromatizadas com rodelas de frutas (maçã, laranja, limão) ou com ervas e especiarias, como hortelã e canela em pau. Os picolés recomendados são à base de água e frutas, se possível sem adição de açúcar".

Perigo

A nutricionista alerta para o consumo exagerado da água de coco, devido à interferência na glicemia. Cada 240ml tem em média 10g de carboidrato, logo, não deve ser consumida de forma exagerada em substituição à água natural. "A água de coco interfere nos valores de glicemia como se estivéssemos ingerindo uma fruta, portanto, pode entrar no planejamento alimentar em substituição a um horário de fruta e não em substituição a água", orienta a especialista.

Quanto à alimentação saudável, algumas recomendações podem ser seguidas para que o paciente possa fazer escolhas assertivas e mais saudáveis.

– Evite jejum prolongado;

– Inicie as refeições por saladas cruas;

– Enfeite os pratos com frutas (evitar as frutas em calda, pois são ricas em açúcar);

– Inclua cereais integrais;

– Substitua farofas por farofas de soja;

– Preferira preparações assadas, grelhadas e cozidas;

– Evite os molhos à base de maionese;

– Dê preferência às ervas finas como tempero;

– Evite excessos na escolha da sobremesa. Escolher um tipo;

– Evite o consumo de bebidas alcoólicas.

IMPORTANTE!

Em circunstâncias em que o viajante ficará um longo período sem comer, recomenda-se realizar um lanche rápido e saudável, como frutas e iogurte para evitar a hipoglicemia. Além dos medicamentos ministrados, a atividade física é uma aliada no controle glicêmico, sendo parte do tratamento e deve ser mantida mesmo quando a pessoa está longe de casa.

Em se tratando de medicações, aqueles com diabetes tipo 1, portanto dependentes de insulina, devem medir a glicemia cerca de quatro vezes ao dia. "Se, com a nova rotina, o paciente descompensar a glicemia, e seja usuário de insulina, pode haver necessidade de ajuste. Nas férias, as pessoas costumam se movimentar mais, apesar de se alimentar mais. Portanto, muitas vezes esse ajuste não é necessário", esclarece Tarissa Petry, endocrinologista do Centro Especializado em Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

O paciente com diabetes deve manter a rotina da ingestão dos medicamentos orais mesmo quando fizer viagens longas ou quando há diferença de fuso horário para evitar esquecimentos. Nesses casos, o que as especialistas recomendam é que o medicamento seja levado na bagagem de mão. Os pacientes diabéticos devem estar sempre vigilantes ao controle do índice glicêmico para desfrutarem de uma viagem tranquila.

Como armazenar a insulina

O armazenamento correto dos vidros de insulina durante o deslocamento é crucial para que o conteúdo não se torne ineficiente. "Por um período de até sete dias é permitido transportar em condições não refrigeradas. Para tanto, devem ser seguidas recomendações médicas e nutricionais", explica a endocrinologista Tarissa Petry, que também dá algumas dicas:

– Evite exposição dos frascos ao calor excessivo (acima de 40ºC), como no porta-luvas de carros;

– Use sempre veículo com isolamento térmico;

– Nunca exponha os frascos de insulina diretamente ao sol;

– Sempre que possível, o transporte da medicação deve ser feito no período noturno, quando não há a exposição à luz solar;

– Não congele o produto;

– Não transporte a insulina com gelo seco;

– Se a insulina estiver em um carro, procure estacioná-lo na sombra;

– Em viagem de avião, não despache os frascos com a bagagem, pois a baixa temperatura do compartimento de cargas pode congelar a insulina. A medicação deve ser transportada junto com a bagagem de mão, dentro da aeronave;

– Coloque os frascos de insulina em bolsa térmica ou caixa de isopor;

– Caso não tenha bolsa térmica ou isopor, leve o frasco em bolsa comum junto a você.

– Ao chegar ao destino, deve-se armazenar os frascos de insulina na geladeira. Caso estejam lacrados, a recomendação é mantê-los entre 2ºC a 8ºC. Se estiverem abertos, na ausência de geladeiras, podem ser mantidos em temperatura ambiente (de 15ºC a 30ºC) por, no máximo, um mês, em local fresco, sem incidência de luz e oscilações de temperatura, como próximo ao filtro de água. Mantidos dessa forma o consumo deve ser feito em até seis meses.

– Para evitar exposições a temperaturas inferiores a 2ºC e congelar e perder o efeito, o local mais adequado para armazenar insulinas em geladeira doméstica são as prateleiras do meio para baixo do refrigerador, ou na gaveta de verduras. A porta da geladeira não é indicada.

– Ao aplicar a insulina, o indicado é retirá-la da geladeira de 15 a 30 minutos de antecedência para evitar o desconforto e a irritação da pele.