Casas da Indústria: Fiep amplia atendimento para acesso a crédito

Analistas de crédito então disponíveis para orientar sobre as melhores linhas de financiamento

Cascavel – A partir desta segunda quinzena de maio, os industriais paranaenses terão a oportunidade de buscar orientação e acessar o crédito mais próximo de sua região. Por meio de uma parceria entre a Fiep (Federação da Indústria do Estado do Paraná) e a Fomento Paraná, as Casas da Indústria de Ponta Grossa, Maringá, Londrina e Cascavel estão com analistas disponíveis para atender os empresários, orientá-los sobre as melhores linhas de financiamento e apoiá-los no processo de obtenção do crédito.

Atualmente, o atendimento é realizado pelo Núcleo de Acesso ao Crédito da Fiep em Curitiba. A novidade agora é que a federação vai atuar como correspondente da Agência de Fomento, apoiando o industrial em operações de crédito produtivo, com analistas treinados em cada unidade, sem a necessidade de deslocamento até a capital. “O empresário já contava com orientação sobre as linhas de financiamento, condições, prazos e taxas. Mas agora terá assistência em todo o processo com a Fomento Paraná, principalmente no crédito para investimento”, explica o especialista em crédito da Fiep, João Baptista Guimarães.

O trabalho dos técnicos vai desde o atendimento inicial para entender a necessidade do industrial até orientá-lo sobre a documentação necessária, melhores linhas de financiamento, condições e prazos. “Antes o empresário tinha que buscar as informações por conta própria. Nas Casas da Indústria será feita a triagem, a análise prévia, a entrada na proposta de crédito com a Fomento Paraná e o acompanhamento de todo o processo até a liberação do recurso”, complementa.

Expectativa

Com maior capilaridade para auxiliar o industrial, a expectativa é dobrar os atendimentos. “Nos últimos três anos atendemos mais de 530 empresas em busca de crédito, apoiando na concessão de mais de R$ 172 milhões em financiamento do BNDES”, conta. O comportamento dos empresários também mudou. Em 2016, 30% buscavam crédito para capital de giro. Em 2017 essa modalidade subiu para 45% dos pedidos. E, em 2018, chegou a 48%.

No mesmo período houve redução dos pedidos de recursos para investimentos, por exemplo, para obras de ampliação e compra de maquinário. “Esses números refletem o comportamento do empresário em meio à crise, buscando capital de giro para manutenção das atividades e realização de vendas. Para 2019, se houver mudança significativa no cenário econômico, os pedidos para outras finalidades tendem a crescer também”.

O novo serviço oferecido pela Fiep vai permitir que o industrial saia da Casa da Indústria sabendo tudo que precisa para conseguir seu crédito. A parceria com a Fomento Paraná oferece várias linhas de crédito para empresas com faturamento de até R$ 90 milhões por ano e para projetos com custo a partir de R$ 20 mil até R$ 1,5 milhão.



Fale com a Redação

catorze + 9 =