Canudinhos provocam confronto com lojistas

O Sindilojas sugere que a Câmara discuta “projetos bem mais úteis e interessantes”

A proibição do uso de canudinhos plásticos em bares e restaurantes de Cascavel pela Câmara de Vereadores recebeu a resistência do Sindilojas (Sindicato dos Lojistas e do Comércio Varejista de Cascavel), que enviou nota aos parlamentares rejeitando a proposta. Houve até quem sugerisse projetos mais relevantes ao parlamento.

O manifesto assinado pelo presidente do Sindilojas, Leopoldo Furlan, e pelo diretor, Selvino Bigolin, aponta contradições na proposta: “O projeto cita exemplos do Rio de Janeiro, Santos, Salvador, Fortaleza, Camboriú – todas cidades litorâneas em que as praias são usuárias de canudos de plástico. Cascavel fica a 700 quilômetros da praia mais próxima”.

Entre os pontos mais polêmicos, o Sindilojas sugere que a Câmara discuta “projetos bem mais úteis e interessantes”. Em seguida, lista debates possíveis: regulamentar e estimular via campanhas a separação do lixo pelos consumidores – o que resolveria o problema do canudinho e de outros recicláveis. “E o que dizer das garrafas pet? Vão proibir também?”

O Sindilojas pede que o Legislativo deixe o modismo de lado e apresente um projeto para um novo centro de eventos. “Por que não apresentar um projeto de novas áreas industriais, com incentivos fortes e estimulantes, para ampliar e desenvolver nosso pequeno parque industrial? Cascavel dobrará a população em dez anos. o que farão os novos e atuais empregados? E a força de trabalho jovem, oriunda de nossas universidades? É de responsabilidade do poder público – prefeito e vereadores – pensar e projetar o futuro. Os empresários e os investidores farão sua parte. Vamos pensar grande”, argumentam os dirigentes.

Durante mais de uma hora, os vereadores debateram o projeto proposto inicialmente por Serginho Ribeiro (PPL), que se defendeu de todos os ataques, principalmente de possíveis prejuízos aos supermercados. “Queremos propor a conscientização. Estamos querendo a restrição apenas em bares e similares. Em supermercados já há oferta de canudos biodegradáveis. Além disso, serão seis meses para regularização”.

Projeto é aprovado

Ante a polêmica, o vereador Olavo Santos (PHS) chegou a pedir o adiamento por cinco sessões para que houvesse modificação do projeto especificando o tipo do material que substituirá os canudos de plástico. O adiamento foi rejeitado. Apesar da pressão do Sindilojas, o projeto foi aprovado por 15 votos e teve três contrários: Jaime Vasatta, Olavo Santos e Roberto Parra. Agora, fica à espera da sanção do Executivo.

Reportagem: Josimar Bagatoli

 

 

 



Fale com a Redação

quatro × quatro =