Curitiba – A campanha “Não engula o choro”, do governo do Estado, atravessou os limites do Paraná e conquistou o engajamento de entidades sociais e integrantes da rede de proteção à criança e ao adolescente de outros estados. Personalidades artísticas e profissionais liberais, principalmente da área de psicologia, também têm contribuído para ampliar a divulgação.

A governadora Cida Borghetti destacou a importância da realização de campanhas periódicas de conscientização e sensibilização. “A disseminação da boa informação é essencial para combatermos casos de violências contra crianças e jovens, que infelizmente ainda existem. E o auxílio da sociedade é muito importante”, disse.

A campanha lançada no dia primeiro deste mês está alcançando o objetivo de sensibilizar a sociedade para o problema da violência contra crianças e adolescentes.

 

Campanha de enfrentamento contra a violência

Não dá para engolir este choro. Chega de ver crianças e adolescentes sem cuidados ou recebendo qualquer tipo de mal trato. Denuncie, ligue 181.

Posted by O Paraná / Hoje News on Tuesday, May 8, 2018

Viralizou

Pela internet, as duas animações que incentivam crianças a se expressarem e buscarem ajuda quando algo está errado já alcançaram mais de 1,3 milhão de visualizações e foram compartilhadas 21 mil vezes, nas suas duas primeiras semanas de divulgação. Uma única postagem em rede social recebeu mais de 1.600 comentários, e, em outra, mais de 35 mil curtidas. Em um canal da internet, específico para crianças, em três dias, foram 266 mil visualizações. Sem contar os compartilhamentos por aplicativo de mensagem.

Os vídeos foram pensados para falarem com as crianças, são coloridos, com música agradável e com linguagem simbólica para representar os perigos.

A campanha estimula crianças e adolescentes que sofreram ou sofrem algum tipo de violência a não se calarem e buscarem alguém de confiança para desabafar. Para os adultos, foi produzida comunicação externa nos maiores municípios, em outdoors, mobiliário urbano e busdoor, com as imagens em ônibus do transporte coletivo.

Denúncias

Os agentes da rede de proteção, que inclui profissionais da assistência social, saúde, educação, conselho tutelar e segurança pública dos 399 municípios paranaenses, receberam cartilhas e cartazes que orientam como agir diante do problema que aflige a criança.

Um dos objetivos da campanha é reduzir a subnotificação e incentivar a população a denunciar esses crimes. Tem a parceria das secretarias estaduais da Saúde, da Educação e da Segurança Pública, que registra e encaminha denúncias de violações de direitos, no Paraná, pelo telefone 181.

A ação é feita em conjunto com o Cedca (Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente), que determinou o uso do recurso do FIA (Fundo para Infância e Adolescência) para esse fim.